Skip to content

FAB participa da Operação Laçador com 43 aeronaves

17/11/2009
A Força Aérea Brasileira (FAB) participa com 43 aeronaves na Operação Laçador, coordenada pelo Estado-Maior de Defesa do Ministério da Defesa com a participação das três Forças Armadas. O exercício começou na segunda-feira, 16 de novembro, no Sul do país, e visa ao adestramento conjunto que testa a interoperabilidade e a integração de atuação do ministério e das Forças Armadas. Cerca de 8 mil militares da Marinha, Exército e da FAB estão envolvidos na Operação Laçador, realizada nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A FAB atua durante a manobra as seguintes aeronaves: C-130, KC-130, RA-1, F-5EM, C-105, A-1, C-99, AT-26, R-35, R-95, KC-137, E -99, R-99, P-95 B, SC-95, C-97, A-29, H-34, C-95, H-1H e C-98. Nos primeiros dias da operação simulada, está previsto que a Força Aérea Componente obterá a superioridade aérea na história.

A Marinha participa com treze navios, dois submarinos, quatro lanchas e oito helicópteros e ainda um destacamento de mergulhadores de combate e ainda tropa de Fuzileiros Navais. O Exército emprega os homens das 3ª, 5ª e 6ª divisões e a 3ª Região Militar e a 5ª Região Militar/ 5ª Divisão de Exército e militares do Batalhão de Operações Especiais e tropa da Brigada de Infantaria Paraquedista, provendo os meios logísticos nos três Estados da operação.

Essa é a segunda operação combinada coordenada pelo Ministério da Defesa este ano – a primeira foi a Operação Laguna, no Mato Grosso do Sul — e a quinta que tem o Sul do país como cenário. No exercício simulado da operação, os países Amarelo e Verde estão em conflito. Na guerra fictícia, o país verde corresponde aos Estados de Paraná, Santa Catarina e parte do Rio Grande do Sul e o país Amarelo às regiões da Campanha e noroeste do Rio Grande do Sul.

O país Amarelo enfrenta uma crise de energia. Os campos petrolíferos se esgotaram e a única fonte de energia vem de uma usina binacional construída em parceria com o país Verde, onde fica a sede da hidrelétrica. O país Amarelo decide ocupar os campos petrolíferos do país Verde, localizados na região do Porto do Rio Grande. Com o aval da Organização das Nações Unidas, o país Verde decide então tomar a usina binacional, que será representada pela hidrelétrica de Itá, localizada na divisa entre Santa Catarina e Rio Grande. Está armado então o cenário do conflito onde os militares brasileiros farão os exercícios.

Segundo o Estado-Maior de Defesa do Ministério da Defesa, as operações combinadas utilizam um moderno conceito de aplicação de forças militares de mar, terra e ar, de forma integrada e coordenada, para atingir um objetivo que seja de interesse para o país como, por exemplo, a defesa de áreas sensíveis.

Um dos principais objetivos das operações combinadas são o treinamento dos Estados-Maiores, no planejamento, na execução e avaliação dos exercícios. O planejamento e a definição dos cenários das operações combinadas ocorrem bem antes do início efetivo do exercício.

A Operação Laçador, de acordo com o Estado-Maior de Defesa, representa a fase final de um ciclo de planejamento trienal, iniciado em 2007, com a finalidade de: adestrar forças navais, terrestres e áreas em operações conjuntas; intensificar a presença do Estado e das Forças Armadas na área do exercício, ampliando a interação entre o Ministério da Defesa e os diversos órgãos de segurança e fiscalização; e apoiar a população com atendimentos de saúde e cidadania.
Fonte: MINISTÉRIO DA DEFESA/CECOMSAER

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: